Nova droga pode retardar a manifestação dos sintomas de Alzheimer

Postado em: 19.05.2015

Pelos graves impactos que a Doença de Alzheimer causa sobre as pessoas diretamente acometidas e seus familiares, qualquer notícia sobre novas drogas que possa combater essa doença enche a comunidade médica de esperanças.  Testes preliminares foram feitos com a injeção de uma nova droga, chamada aducanumab, caracterizada em termos bioquímicos como um anticorpo monoclonal.

Trata-se de uma proteína ligada ao sistema imunológico que foi sintetizada em laboratório com modernos recursos de pesquisa. A aducanumab foi sintetizada com a finalidade específica de atacar um composto chamado amiloide, que por alguma razão, acumula-se no cérebro de pacientes acometidos de Alzheimer. Algumas pessoas começam a acumular essas placas de amiloides muitos anos antes que se manifestem os sintomas característicos de Alzheimer.

Como consequência das injeções de aducanumab, houve uma redução significativa na perda da memória, assim como das habilidades cognitivas. De acordo com o representante científico do Laboratório Biogen, as injeções de aducanumab, foram aplicadas em pacientes com esse marcador positivo (presença de placas de amiloide), mas ainda sem manifestação de doença clínica. O intuito é tentar identificar a possibilidade de retardar o inicio da doença ou até mesmo preveni-la.

De acordo com representantes da Associação de Alzheimer dos Estados Unidos, os resultados obtidos nos primeiros testes indicaram redução do acúmulo de placas de amiloide nos cérebros dos pacientes testados. Os resultados obtidos são inéditos e abrem novos caminhos para uma terapêutica eficaz no combate à Doença de Alzheimer. Mais testes, no entanto, são necessários para estabelecer segurança no uso da substância e comprovar a real eficácia desse tratamento.