Exercícios retardam o envelhecimento

Postado em: 07.03.2016

Autora: Dra. Danielle Ferreira, Médica Geriatra na Clínica da Memória.

Estudo publicado em novembro de 2015 na revista Medicine & Science of Sports & Exercise sugere que a realização de atividade física, independente de frequência ou intensidade, pode retardar o envelhecimento de nossas células. Também foi observado que essa possível melhora seria mais acentuada nas idades entre 40 e 65 anos.

A análise foi feita através de estudo de dados obtidos do National Health and Nutrition Examination Survey, onde adultos responderam anualmente perguntas sobre sua saúde, incluindo hábitos em relação a exercício físico. Também houve coleta de amostras de sangue desses indivíduos, o que permitiu estudo dos telômeros.

Os telômeros são estruturas que, se acredita, protegem o DNA durante a divisão celular e a replicação. Com o envelhecimento, observa-se encurtamento e fragilização dessa estruturas.

Mas o processo pode ser acelerado também por fatores como obesidade, tabagismo, insônia, diabetes dentre outros. Nesses casos, as células envelhecem prematuramente.

 
 

Exercícios retardam o envelhecimento das nossas células.

Exercícios retardam o envelhecimento das nossas células.

 

6500 participantes foram avaliados, com idades entre 20 e 84 anos, e foram divididos em grupos, baseado em resposta à pergunta se no ultimo mês que precedia o estudo eles haviam realizado exercício físico tal como levantamento de pesos, caminhadas, corridas ou se utilizavam bicicleta como meio de transporte. Pontos foram atribuídos a cada uma das respostas afirmativas e então os pesquisadores dividiram os grupos e analisaram seus telômeros.

Os resultados mostraram uma nítida associação, onde cada ponto a mais mostrava redução significativa na presença de telômeros curtos.

Como o estudo mostra somente uma associação, ainda não se pode afirmar que o exercício é o fator causal associado a mudanças no comprimento dos telômeros, somente se pode dizer que, quem se exercita mais, tem telômeros maiores. Também não foi possível fazer uma correlação entre a presença de maiores telômeros e uma melhoria em saúde do individuo, já que não foi esse o foco do estudo. Sabe-se, entretanto, que telômeros são associados à mortalidade, quanto menores eles são, menor é a expectativa de vida.

A conclusão seria então que exercício é benéfico para nosso corpo, melhor ainda, para nossas células e que é provável que quanto mais exercício é praticado, melhor.

Dentro de uma visão mais abrangente, não devemos esquecer nunca de nos exercitarmos sempre com segurança e que o bem-estar deve sempre ser levado em consideração.

Mas, não restam dúvidas que devemos sempre nos movimentar!

Fonte: Med Sci Sports Exerc 2015 nov;47 (11) : 2347-52. Movement -Based Behaviors and Leucocyte Telomere Length Among US Adults. Loprinzi, PD; Loenneke, JP;Blackburn,EH