Esquecimento significa Doença de Alzheimer?

Postado em: 22.02.2017

Autora: Dra. Luana Oliveira Correia, médica geriatra na Clínica da Memória.

Antigamente, quando uma pessoa envelhecia e ficava “esquecida”, se dizia que ou era da própria velhice ou que estava “esclerosada”. Em 1906/1907, Alois Alzheimer comunicou seu primeiro caso da doença, que foi posteriormente denominada por Kraepelin (1910) como Doença de Alzheimer. No Brasil, só veio a se tornar mais conhecida e mais diagnosticada a partir da década de 1970.

Apesar da Doença de Alzheimer ser a demência mais comum, existem outras que podem manifestar. As principais causas de demência no idoso são:

– Doenças Neurodegenerativas (Doença de Alzheimer, Demência com Corpos de Lewy, Demência Frontotemporal, Doença de Parkinson, etc),
– Doença Cerebrovasculares (Demência Vascular),
– Demência Mista (associação de duas ou mais causas de demência),
– Infecções (AIDS, Neurossífilis, etc),
– Doença por Prions,
– Doença Desmielinizantes (Esclerose Múltipla),
– Intoxicações (por exemplo, alcoolismo),
– Doenças Nutricionais,
– Trauma Crânio-encefálico,
– Neoplasia do Sistema Nervoso.

A prevalência das demências aumenta com a idade, chegando a quase 50% em pessoas acima de oitenta anos de idade. Como foi citado acima, são muitas as causas de demência, mas as principais são: a Doença de Alzheimer, a Demência por Corpos de Lewy e a Demência Vascular, responsáveis, respectivamente, por 42-81%, 15-31% e 15-25% dos casos.

Quando suspeitar que uma pessoa está com demência?

Quando houver um déficit progressivo na função cognitiva (por exemplo, a memória) e interferência nas atividades sociais e ocupacionais. Na Doença de Alzheimer o início é gradual e o declínio cognitivo é contínuo. Já na Demência por Corpos de Lewy o declínio cognitivo é flutuante, acompanhado de períodos de confusão, alucinações (especialmente as visuais), quedas frequentes, rigidez e bradicinesia (parkinsonismo). O início da Demência Vascular geralmente é súbito, seguido por um curso flutuante e gradativo (chamamos “em degraus”), e prejuízo inicialmente nas funções executivas (isto é, planejamento, organização, sequenciamento e abstração).

Como proceder quando houver suspeita?

É importante consultar um médico especializado na área (Geriatra, Neurologista ou Psicogeriatra) para um diagnóstico precoce e o melhor manejo dessa demência. Dentre tantas causas, é importante saber o tipo de Demência porque o quadro clínico e o tratamento diferem, seja ele curável ou não. O cuidado mais interessante para essas demências é o multidisciplinar, bem como o apoio e orientação ao cuidador (principal pessoa nesse contexto), contribuindo para que esse paciente portador de demência tenha melhores dias com conforto e qualidade de vida.

Referência: FREITAS, et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia, 2016.